• Español
  • English
  • Português

Preços de Transferência na Espanha

Este artigo fornece uma visão geral da legislação sobre preços de transferência na Espanha, tais como definições, metodologia de avaliação, obrigações formais na matéria, tais como a declaração informativa juramentada, documentação e sanções por incumprimento.
[toc]

A legislação sobre Preços de Transferência na Espanha é regulamentada no artigo 18 da Lei 27/2014 (a Lei) ou “Lei de Imposto de Sociedades“.

Também complementa se pelos artigos 13 a 36 do Regulamento aprovado pelo Decreto Real 634/2015.

As obrigações formais são estabelecidas nesta área pelo último regulamento, tais como a documentação necessária para provar que tais transações estão a valor de mercado, levando em consideração as diretrizes estabelecidas pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) na Ação 13 do Plano BEPS (Base and Erosion and Profit Shifting ou Base e Erosão e Transferência de Lucros).

Da mesma forma, pela Orden HFP (Orden ministerial del ministerio de Hacienda y Función Pública) ou Portaria FPF (Portaria do Ministério da Fazenda e Função Pública) /816/2017 foi estabelecida a Declaração Juramentada Informativa sobre transações com partes relacionadas e paraísos fiscais, a qual, juntamente com as regras já mencionadas acima, estabelece uma estrutura para o regime de Preços de Transferência neste país.

Preços de Transferência: Definição:

Isto é definido como aqueles preços ou valores acordados em transações entre partes ligadas ou relacionadas, estes tipos de transações também são conhecidos como transações entre empresas.

Princípio da Competição Aberta: Conceito

Também é conhecido como o princípio doArm’s Length“, que se baseia em preços ou valores acordados em transações entre partes relacionadas, estando de acordo com o valor de mercado.

Este princípio também é regulamentado na legislação espanhola sobre Preços de Transferência, no número 1, artigo 18 da Lei 27/2014 ou “Lei de Imposto de Sociedades“.

O parágrafo acima estabelece que as transações realizadas entre pessoas ou entidades relacionadas devem ser avaliadas pelo valor de mercado, que é entendido como o valor acordado entre partes independentes.

Definição de Partes Relacionadas na Espanha

De acordo com o numeral 2 do artigo 18 da Lei, deve ser entendido como pessoas ou entidades relacionadas, quando se encontram nas seguintes situações:

  • Os parceiros ou participantes relacionados com a entidade.
  • A entidade e seus gestores, com exceção da remuneração que recebem pelo desempenho de suas funções.
  • A entidade e os cônjuges ou pessoas em parentesco, direta ou colateralmente, por consanguinidade ou afinidade até o terceiro grau em relação aos sócios ou gerentes.
  • Duas entidades, desde que pertençam a um grupo.
  • Uma entidade relacionada com os gerentes de outra, desde que estes últimos pertençam ao mesmo grupo.
  • Uma entidade relacionada à outra, quando a primeira possui indiretamente pelo menos 25% do capital da segunda.
  • Duas entidades que compartilham os mesmos parceiros ou participantes, ou seus cônjuges ou pessoas afins, como indicado no ponto três acima, e estes participam direta ou indiretamente em pelo menos 25% do capital.
  • Uma empresa residente na Espanha relacionada a seus estabelecimentos permanentes no exterior.

Com relação à definição degrupo“, o regulamento estabelece que tal grupo existe quando uma entidade tem ou pode ter controle sobre outra ou outras, conforme estabelecido no artigo 42 do Código Comercial Espanhol.

Metodologia de Preços de Transferência na Espanha

De acordo com o Artigo 19, número 4 da Lei, para determinar o valor de mercado das transações com partes relacionadas, um dos cinco métodos a seguir pode ser utilizado:

  • Método de preço livre comparável.
  • Método dos custos incrementais.
  • Método do preço de revenda.
  • Método de distribuição de resultados.
  • Método da margem operacional líquida.

Deve-se observar também que a escolha de qualquer um dos métodos indicados acima deve levar em conta as circunstâncias, a natureza da transação, as informações disponíveis e o grau de comparabilidade das transações.

Na medida em que o uso de qualquer um desses métodos não seja possível, o contribuinte pode aplicar outros métodos de avaliação de acordo com o princípio do Arm’s Length.

Análise de comparabilidade na Espanha

A fim de determinar se duas ou mais transações são comparáveis, o Artigo 17, número 2 do Regulamento da Lei de Tributação de Empresas estabelece que as seguintes circunstâncias devem se considerar:

  • As características específicas da transação.
  • As funções assumidas pelas partes na transação, assim como os ativos e riscos envolvidos.
  • Termos contratuais.
  • As circunstâncias econômicas que governaram a transação.
  • Estratégias comerciais.

Documentação sobre Preços de Transferência na Espanha

O artigo 18, número 3 da Lei estabelece que os contribuintes, a fim de provar que os preços nas transações com partes relacionadas foram avaliados de acordo com o mercado, devem manter a documentação estabelecida pelo Regulamento, com a finalidade de que esteja disposta à Administração Fiscal quando for necessária.

A este respeito, os artigos 13 a 16 do Regulamento indicam a documentação que deve ser mantida de acordo com a lei.

Documento Padronizado

De acordo com o número 4 do artigo 16 do Regulamento, aquelas pessoas ou entidades que não excedam dez milhões de euros podem apresentar um Documento Padronizado a fim de cumprir com a documentação específica exigida pelo regulamento acima mencionado.

Documento Simplificado do Contribuinte

De acordo com o numeral 3 do artigo 18 da Lei, de acordo com o artigo 16 do Regulamento acima mencionado, é declarado que os contribuintes cujo faturamento líquido seja superior a 10 milhões, mas se for inferior a 45 milhões podem apresentar a documentação específica em um formato simplificado.

Esta documentação deve ter o seguinte conteúdo:

  • Descrição e quantidades de transações com partes relacionadas.
  • Dados de identificação fiscal das partes relacionadas.
  • Identificação do método de avaliação.
  • Transações comparáveis obtidas e intervalos derivados do método utilizado.

Documentação Específica do Contribuinte

O artigo 16, número 4 do Regulamento estabelece que a Documentação Específica do Contribuinte se aplicará aos contribuintes cujo faturamento líquido exceda 45 milhões de euros, incluindo estabelecimentos permanentes de entidades não-residentes na Espanha.

Esta documentação deve incluir informações como estrutura da empresa, descrição das atividades da empresa, principais concorrentes, informações detalhadas sobre transações relacionadas e informações econômicas e financeiras do contribuinte.

Deve-se observar que existem exceções à obrigação de se ter tais informações, sendo uma delas quando as transações são realizadas com a mesma parte relacionada e o valor total não excede o valor de 250.000 euros, de acordo com o valor de mercado.

Documentação do Grupo

Esta documentação será aplicável, assim como a documentação específica, para aqueles contribuintes cujo faturamento líquido exceda 45 milhões de euros, de acordo com o numeral 2 do artigo 15 do Regulamento.

As informações a serem divulgadas incluem a estrutura e organização do grupo, as atividades, informações relacionadas aos ativos intangíveis do grupo econômico e informações financeiras e fiscais do grupo.

Relatório país por país

O artigo 14, numeral 1 do Regulamento estabelece que tal relatório será aplicável às seguintes entidades:

  1. Entidades residentes na Espanha que são a empresa-mãe do grupo.
  2. Entidades domiciliadas na Espanha, direta ou indiretamente dependentes de uma empresa não domiciliada em território espanhol, que por sua vez não é dependente de outra, desde que isso:
    • Não há nenhuma exigência de Relatório País por País ou seu análogo no país de residência da entidade estrangeira.
    • Não há acordo de intercâmbio de informações com o país em que a entidade estrangeira reside.
    • Que o acordo acima mencionado foi sistematicamente violado e que a Administração Fiscal espanhola o comunicou a suas entidades dependentes.
    • A violação sistemática do acordo acima mencionado é comunicada pela Administração Fiscal espanhola a suas entidades dependentes.

Também afirma que as entidades dependentes residentes na Espanha não serão obrigadas a apresentar um Relatório País por País quando a empresa-mãe do grupo multinacional tiver nomeado outra entidade do grupo no exterior, desde que esta última seja residente em um país da União Europeia.

Em relação ao prazo para apresentar o Relatório acima mencionado, o regulamento estabelece que ele expirará doze meses após o final do período fiscal.

Paraísos Fiscais e Valor de Mercado na Espanha

O artigo 19, número 2 da Lei estabelece que as transações realizadas com pessoas ou entidades residentes em países ou territórios classificados como paraísos fiscais ou territórios de baixa ou nenhuma tributação também devem ser acordadas pelo valor de mercado.

Este artigo, por sua vez, estabelece que aqueles que realizam transações com estas entidades estão obrigados a ter a documentação indicada no número 3 do artigo 18 da Lei, conforme descrito nos parágrafos anteriores, considerando as especificações indicadas no artigo 37 do Regulamento.

Declaração Juramentada Informativa de Preços de Transferência na Espanha

A Portaria FPF/816/2017 estabelece a exigência de apresentar uma declaração informativa de transações com partes relacionadas e transações relacionadas a paraísos fiscais por meio do Formulário 232.

De acordo com o artigo 2 do regulamento acima mencionado, os seguintes contribuintes estão obrigados a fazer isso:

  1. Realizar transações com a mesma parte relacionada, desde que o valor total da contraprestação exceda 250.000 euros.
  2. Realizar transações específicas desde que o valor total de cada um desses tipos de transações no período fiscal exceda 100.000 euros.

Deve-se observar que no caso de transações com paraísos fiscais, o Formulário 232 deve ser apresentado independentemente do valor.

O prazo de apresentação é o mês seguinte, após um período de 10 meses a partir do final do ano fiscal.

Sanções Relacionadas a Preços de Transferência na Espanha

Em relação ao incumprimento dos requisitos formais de Preços de Transferência ou de preenchimento incompleto, o regulamento estabelece que, caso não seja feito nenhum ajuste, a penalidade será de 1.000 euros por cada dado omitido, impreciso ou falso e 10.000 euros por cada conjunto de dados.

No caso de um ajuste, a multa será de 15% da correção feita.

Escritórios na Espanha

Blog

Como podemos ajudá-lo?

    Para entrar em contato conosco, você deve preencher o seguinte formulário