Aplicação das NIIF no México

A importância das NIIF no México

A estrutura regulatória internacional tem desempenhado um papel importante na elaboração de relatórios financeiros no México. De fato, este país adotou as NIIF para todas as empresas listadas na bolsa de valores, exceto as instituições financeiras e companhias de seguros, cuja implementação começou para aqueles períodos anuais de relatórios a partir de 1º de janeiro de 2012.

As empresas pertencentes ao setor financeiro e de seguros utilizam as Normas de Informação Financeira (NIF) mexicanas mais alguns requisitos estabelecidos pela CNBV (Comissão Nacional Bancária e de Valores) e pela CNSF (Comissão Nacional de Seguros e Fianzas).

Entidade Reguladora

O CINIF (Consejo mexicano para la Investigación y desarrollo de Normas de Información Financiera – Conselho Mexicano de Pesquisa e Desenvolvimento de Normas de Informação Financeira) foi criado em maio de 2002 como um órgão independente para convergir as normas contábeis locais. O desafio do CINIF é liderar como um órgão no desenvolvimento e aperfeiçoamento das normas contábeis, tendo como finalidade o desenvolvimento de normas de informação financeira transparentes, objetivas e confiáveis relacionadas ao desempenho de entidades econômicas e governamentais, que devem ser úteis para emissores e usuários de informações financeiras.

Para consegui-lo, realiza processos de pesquisa e consulta entre a comunidade financeira e empresarial e outros setores interessados, o que resulta na emissão de documentos denominados Normas de Informação Financeira (NIF), Orientação às Normas de Relatórios Financeiros (ONIF), cujos aperfeiçoamentos contidos em um documento, propõem suas modificações aos mesmos e ao INIF (Interpretações às Normas de Informação Financeira) como esclarecimentos e diretrizes para implementar as NIF.

  • O CINIF conta com uma assembléia de associados composta por:
  • Associação de Bancos do México.
  • Associação Mexicana de Intermediários de Valores.
  • Instituto Mexicano de Executivos de Finanças.
  • Associação Nacional de Faculdades e Escolas de Contabilidade e Administração.
  • Bolsa Mexicana de Valores.
  • Comissão Nacional de Bancos e Valores.
  • Comissão Nacional de Seguros e Fianças.
  • Conselho Coordenador Empresarial.
  • Instituto Mexicano de Contadores Públicos.
  • Secretaria da Função Pública.
  • Secretaria de Finanças e Crédito Público.
  • Associação Mexicana de Instituições de Seguros.
  • Conselho Mexicano de Homens de Negócios.

A política das NIF é convergir as normas locais utilizadas pelos diversos setores econômicos e tanto quanto for possível para as Normas Internacionais de Informação Financeira ( NIIF ) emitidas pelo IASB (International Accounting Standards Board).

Estrutura das Normas Mexicanas

A estrutura das NIF prevista na NIF A-1 é semelhante à das NIIF emitidas pelo IASB, pois estas também se compõem de normas conceituais e específicas:

  1. As NIF e as INIF emitidas pela CINIF.
  2. Os boletins emitidos pelo CPC que não tenham sido modificados, substituídos ou revogados pelo novo NIF.
  3. As IFRS aplicáveis em caráter suplementar.

As NIFs estão compostas de quatro seções principais:

  1. As Normas Conceituais compreendem a chamada estrutura conceitual. Estas estabelecem os conceitos fundamentais que servem como suporte racional para o desenvolvimento da NIF e como referência para a solução dos problemas que surgem na prática contábil.
  2. As Normas Particulares estabelecem a base específica para a avaliação, apresentação e revelação das transações, transformações internas e outros eventos que afetam economicamente uma entidade para emitir informações financeiras em um determinado lugar e momento.
  3. A função das INIFs é esclarecer ou expandir questões já tratadas em algumas NIFs (NÃO ASSIGNADAS) e fornecer oportunamente orientações sobre novos problemas detectados nas informações financeiras que não foram especificamente tratadas nas NIFs ou sobre tratamentos desenvolvidos de forma insatisfatória ou contraditória.
  4. As ONIFs são diretrizes sobre questões emergentes que requerem atenção imediata, as quais não estão sujeitas a auscultação e, portanto, não são obrigatórias.

As NIF estão agrupadas da seguinte forma:

  • Série NIF A – Estrutura conceitual.
  • Série NIF B – Normas aplicáveis às demonstrações financeiras como um todo.
  • Série NIF C – Normas aplicáveis aos conceitos específicos das demonstrações financeiras.
  • Série NIF D – Normas aplicáveis a problemas na determinação dos resultados.
  • Série NIF E – Normas aplicáveis a atividades especiais de diferentes setores.

Desde 2006, o CINIF tem atualizado e emitido um conjunto de novas normas. Durante os anos terminados em 2018 e 2019, houve mudanças importantes que podem ter impactos significativos sobre as Demonstrações Financeiras.

As normas que entraram em vigor a partir de 1º de janeiro de 2018, são as seguintes:

  • NIF B-17, Determinação do valor razoável.
  • NIF C-2, Investimento em instrumentos financeiros.
  • NIF C-3, Contas a cobrar.
  • NIF C-9, Provisões, contingências e compromissos.
  • FIPV C-10, Instrumentos financeiros derivativos e relações de cobertura.
  • FIPV C-16, Deterioração de instrumentos financeiros a cobrar.
  • NIF C-19, Instrumentos financeiros a pagar.
  • NIF C-20, Instrumentos financeiros a cobrar.
  • NIF D-1, Receita de contratos com clientes.
  • NIF D-2, Custos de contratos com clientes.

A norma que entrou em vigor a partir de 1º de janeiro de 2019, é a seguinte:

  • NIF D-5, Arrendamentos.

O México optou por implementar a versão completa das NIIF com um plano de convergência construindo seu órgão de normas contábeis chamado NIF (Normas Mexicanas de Informação Financeira) sem descuidar das NIIF (Normas Internacionais de Informação Financeira) emitidas pelo IASB (International Accounting Standards Board).

O México continua desenvolvendo as NIFs através da apresentação de projetos de auscultação. Da mesma forma, mostra melhorias nas NIFs devido a que os emissores de normas contábeis enfatizam a importância de monitorar as NIFs já emitidas, já que estas estão em constante evolução para serem atualizadas com base em normas e regulamentos internacionais.

Noticias Relacionadas

NIIF 16 do ponto de vista do locatário

As NIIF (Normas Internacionais de Informação Financeira) 16 estabelece as diretrizes a serem seguidas para o reconhecimento, mensuração, apresentação e declaração dos arrendamentos, tanto como arrendador quanto como arrendatário. Este

LEER NOTICIA »

Aplicação das NIIF no Brasil

A adoção das Normas Internacionais de Informação Financeira (NIIF) começou no Brasil em 2005 através dos primeiros pronunciamentos do CFC (Conselho Federal de Contabilidade), o órgão encarregado de regulamentar a

LEER NOTICIA »