Logo TPC Group
  • Español
  • Português
  • English

BEPS e os Preços de Transferência: Ação 8

A iniciativa BEPS (Base Erosion and Profit Shifting — Erosão da Base e Transferência de Lucros), liderada pela OCDE e pelo G20, tem transformado o panorama tributário internacional. Entre as 15 ações que compõem esse plano, a Ação 8 se destaca por abordar práticas que erodem a base tributária e transferem lucros por meio da movimentação estratégica de intangíveis entre os membros do grupo. Neste artigo, examinaremos detalhadamente os principais elementos da Ação 8, enfatizando a necessidade de regras claras e amplas para garantir uma distribuição equitativa dos lucros e uma tributação justa.

Definição de intangíveis: a importância de uma definição ampla e clara

O primeiro processo essencial da Ação 8 implica a adoção de uma definição ampla e claramente delineada de intangíveis. Esses ativos intangíveis, que incluem desde a propriedade intelectual até o conhecimento técnico, assim como as marcas comerciais, muitas vezes são transferidos estrategicamente entre entidades relacionadas para reduzir a carga tributária. Uma definição precisa é essencial para fechar lacunas e garantir a identificação e a tributação adequadas de todos os ativos intangíveis.

Alocação de benefícios: centrar-se na criação de valor em vez de separá-lo  

Um dos pontos-chave da Ação 8 é garantir que os lucros associados à transferência e ao uso de intangíveis sejam devidamente alocados, conforme a criação de valor. Em vez de permitir que os lucros se separem da criação de valor, visa-se refletir, por meio de regras, a contribuição real de cada entidade relacionada no processo de geração de renda. Isso não só garante uma tributação justa, mas também promove a transparência e a equidade no sistema fiscal global.

Normas de Preços de Transferência: Abordagem das transferências de intangíveis de difícil valoração

Devido à complexidade e à natureza única de muitos ativos intangíveis, a Ação 8 propõe desenvolver normas específicas de Preços de Transferência ou medidas especiais para transferências de intangíveis de difícil valoração. Isso visa a evitar possíveis manipulação de preços na valorização de ativos intangíveis, garantindo o reflexo adequado do seu valor econômico nos relatórios fiscais.

Atualização dos regulamentos sobre mecanismos de distribuição de custos

Outro aspeto importante da Ação 8 é a necessidade de atualizar os regulamentos sobre os mecanismos de distribuição de custos. Esses mecanismos, quando se utilizam inadequadamente, podem distorcer a alocação de lucros e permitir a elisão fiscal. A revisão e o fortalecimento dessas normas são fundamentais para garantir a distribuição justa dos custos associados à criação e manutenção de intangíveis, conforme as contribuições reais de cada entidade.

Desafios na implementação e coordenação internacional

A implementação da Ação 8 não está isenta de desafios. A diversidade das estruturas empresariais e a necessidade de dados precisos para avaliar adequadamente os riscos e as funções são obstáculos notáveis. A coordenação entre as jurisdições é fundamental para garantir a aplicação consistente dos princípios de Preços de Transferência, evitando vazio na lei e garantindo uma tributação justa.

O risco de inconsistências na implementação global é claro, requerendo um forte compromisso dos países em adotar e aplicar as diretrizes propostas pela OCDE de forma consistente.

Transparência e o relatório país por país (CbCR): ferramentas indispensáveis para a equidade fiscal

Um instrumento fundamental para enfrentar os desafios da Ação 8 é a implementação do relatório país por país (CbCR). Esse mecanismo exige que as empresas multinacionais forneçam às autoridades fiscais, informação detalhada sobre as transações, renda e pagamentos de impostos em cada jurisdição onde operam.

O relatório país por país promove a transparência e permite que as autoridades identifiquem possíveis riscos de erosão da base tributária. Além disso, ele habilita às jurisdições a tomarem medidas preventivas e corretivas e aos países a abordarem com eficácia as estratégias de elisão fiscal.

Oportunidades para a equidade fiscal e o desenvolvimento sustentável

Apesar dos desafios, a implementação da Ação 8 oferece oportunidades significativas. A ênfase na equidade fiscal pode melhorar a distribuição da carga tributária entre as jurisdições, contribuindo diretamente ao desenvolvimento sustentável. As receitas fiscais geradas justamente podem se destinar a investimentos em infraestrutura, serviços públicos e programas sociais, gerando efeitos benéficos nas comunidades locais e na economia global.

Conclusão: a uma tributação internacional mais justa e transparente

Por último, a Ação 8 da BEPS representa uma fase decisiva para a construção de um sistema tributário internacional mais justo e transparente. O desenvolvimento de regras que impeçam a erosão da base tributária e a transferência de lucros nas transferências de intangíveis, constitui a base para uma tributação mais justa e consistente com as realidades econômicas atuais. A clareza na definição de intangíveis, a alocação de lucros baseada na criação de valor, regras específicas para valorizações difíceis e a atualização dos mecanismos de distribuição de custos são elementos essenciais para alcançar um sistema tributário internacional que promova a justiça fiscal e a sustentabilidade econômica.

Noticias Relacionadas

Considerações sobre o uso de comparáveis internos ou externos

Os Preços de Transferência tornaram-se um elemento-chave na gestão financeira de empresas que operam mundialmente. A necessidade de garantir que as transações entre partes relacionadas sejam feitas ao valor do mercado, exige uma análise de comparabilidade ideal, que aborde as comparações internas e externas.

LEER NOTICIA »