Como a NIC 7 é aplicada na Bolívia?

Como a NIC 7 é aplicada na Bolívia?

Comparte esta noticia

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Estrutura regulatória na aplicação da NIC 7

Na Bolívia, seguindo a tendência mundial e a dinâmica global dos negócios, está em processo de convergência através da adoção das Normas Internacionais de Informação Financeira (NIIF), emitidas pelo Normas Internacionais de Contabilidade para a preparação de informações financeiras de propósito geral.

Como resultado do processo de convergência às IFRS, o Conselho Técnico Nacional de Auditoria e Contabilidade (CTNAC) estabeleceu o marco regulatório técnico através da Resolução nº 01/2012 de 7 de novembro de 2012, que mantém a validade das 14 (quatorze) Normas Contábeis Geralmente Aceitas para a Bolívia, emitidas pelo CTNAC da Associação de Auditores Públicos ou Contadores da Bolívia (CAUB).

A este respeito, a Norma Contábil No. 11 (AS 11) sobre Informações Essenciais Necessárias para uma Exposição Adequada das Demonstrações Financeiras, exige que as empresas apresentem o conjunto completo de demonstrações financeiras, incluindo a demonstração de fluxo de caixa, na qual a definição da demonstração de fluxo de caixa é estabelecida:

É uma demonstração financeira básica e dinâmica que expõe o fluxo de caixa (desembolsos e pagamentos) de caixa e equivalentes, ou mudanças nos recursos da entidade, originados de atividades operacionais, de investimento.

Entretanto, esta norma não prescreve como a declaração de fluxo de caixa deve ser preparada. Portanto, como não há pronunciamentos técnicos contábeis suficientes nas atuais Normas Contábeis, as NIIF são substancialmente adotadas e a NIC 7 é a norma a ser aplicada para a preparação e apresentação da demonstração de fluxo de caixa.

O objetivo da Norma Internacional de Contabilidade nº 7 (NIC 7) é exigir o fornecimento de informações sobre mudanças históricas no caixa e equivalentes de caixa de uma entidade através de uma declaração de fluxo de caixa na qual os fluxos de caixa para o período são classificados como provenientes de atividades operacionais, de investimento e de financiamento.

O que são fluxos de caixa?

Fluxos de caixa são as entradas e saídas de caixa, que ocorrem em uma entidade principalmente a partir da produção e venda de bens e/ou serviços com a intenção de gerar um lucro.

A IAS 7 estabelece as seguintes definições:

  • Os fluxos de caixa são as entradas e saídas de caixa e equivalentes de caixa.
  • O dinheiro em espécie compreende tanto depósitos bancários à vista quanto à vista.
  • Os equivalentes de caixa são investimentos de curto prazo, altamente líquidos, facilmente conversíveis em quantias específicas de caixa e sujeitos a um risco insignificante de mudanças de valor.

Classificação dos fluxos de caixa em conformidade com a NIC 7

A declaração de fluxo de caixa deve relatar os fluxos de caixa para o período, classificados por atividade:

  • Atividades operacionais são as atividades que constituem a principal fonte de renda da entidade, assim como outras atividades que não podem ser classificadas como atividades de investimento ou financiamento.
  • As atividades de investimento são a aquisição e alienação de ativos de longo prazo e outros investimentos não incluídos em equivalentes de caixa.
  • As atividades de financiamento são atividades que resultam em mudanças no tamanho e na composição do patrimônio líquido e empréstimos da entidade.

Quais são as atividades operacionais?

  • Atividades.
  • Coleção de vendas de bens e prestação de serviços.
  • Pagamentos de fornecedores.
  • Pagamentos de funcionários.
  • Cobrança de royalties, comissões.
  • Pagamentos ou reembolsos de impostos de renda.
  • Cobranças e pagamentos de companhias de seguros por prima.

Quais são as atividades de investimento?

  • Compras de ativos fixos, ativos intangíveis e outros ativos de longo prazo, representados por pagamentos em dinheiro.
  • Cobranças para vendas de ativos fixos, intangíveis e outros ativos de longo prazo.
  • Pagamentos e cobranças de adiantamentos e empréstimos a terceiros (não instituições financeiras).
  • Pagamentos e cobranças para a aquisição e venda de investimentos.

Quais são as atividades de financiamento?

  • Aumento ou diminuição de capital.
  • Coleta da emissão de ações ou outros instrumentos financeiros.
  • Pagamentos para adquirir ou resgatar ações.
  • Cobranças para a emissão de obrigações financeiras, empréstimos, notas promissórias, títulos, hipotecas e outros empréstimos de curto e longo prazo.
  • Pagamento de empréstimos.
  • Reembolsos de reembolso financeiro.

Tipos de fluxo de caixa

  1. Método direto
    • Mais detalhes sobre receitas operacionais, recibos e pagamentos.
    • As informações são OBTIDAS a partir dos relatórios contábeis.
    • Ajuste de vendas ou custo de vendas para:
      • Mudanças durante o período em inventários e contas operacionais a receber e a pagar.
      • Outros itens não monetários.
  2. Método Indireto
    • Ajusta o ganho ou perda líquida para o propósito de:
      • Transações sem dinheiro (por exemplo, depreciação).
      • Itens de receita ou despesa com investimento ou financiamento de fluxo de caixa.

Qual método de fluxo de caixa a ser usado?

De acordo com os regulamentos fiscais, a declaração de fluxo de caixa deve ser preparada usando o método indireto, especificamente porque o último formulário digital atualizado 605, correspondente ao SIAT APPLICANT – EEFF MODULE e RELATÓRIO ANUAL, inclui o formato de fluxo de caixa no método indireto.

Portanto, a escolha do método a ser utilizado depende das metas e objetivos da entidade.

Noticias Relacionadas

Como podemos ajudá-lo?

    Para entrar em contato conosco, você deve preencher o seguinte formulário