A Declaração de Informações Múltiplas (DIM)

A Declaração de Informações Múltiplas (DIM)

Comparte esta noticia

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

A Declaração de Informações Múltiplas em México ou também conhecida como DIM, de acordo com suas iniciais, é uma declaração anual que deve ser apresentada à Autoridade Fiscal daquele país por certos contribuintes, em um ano fiscal.

Em que consiste a DIM?

Como indicado acima, é uma declaração anual que deve ser preenchida e arquivada por pessoas físicas ou jurídicas que são contribuintes de acordo com a Lei do Imposto de Renda.

Desde 2014, este retorno sofreu diferentes modificações em relação aos anexos que o compõem. Dos 10 anexos que ele contém atualmente, apenas dois permanecem em vigor.

Quais eram os anexos da DIM?

A DIM, até sua modificação, tinha 10 anexos, que são detalhados abaixo:

Anexo 1: Informações anuais sobre salários, vencimentos, itens similares, crédito salarial e subsídios de emprego

Este anexo correspondia a uma declaração de salários e subsídios; entretanto, não está em vigor a partir do ano fiscal de 2017, pois devido à validade da questão da folha de pagamento, em sua versão 1.2, estas informações já são apresentadas no portal do Serviço de Administração Fiscal (SAT) por esse meio.

Anexo 2: Informações sobre pagamentos e retenções

No referido anexo, o contribuinte apresentou as informações relativas às deduções do IVA, ISR e IEPS que ele fez a outro contribuinte.

Entretanto, com a entrada do CFDI não está mais em vigor, pois será o contribuinte que emite o CFDI, que o apresenta no site do SAT.

Anexo 3: Informações sobre os contribuintes que fazem doações

Este cronograma estava em vigor apenas até o ano fiscal de 2016, portanto não será necessário protocolar o retorno para este fim a cada 15 de fevereiro, após aquele ano.

Anexo 4: Informações sobre residentes no exterior

Este anexo indicava quais eram as retenções do imposto de renda para residentes no exterior com pagamento e informações no caso de uma pessoa jurídica ter recebido um empréstimo de um residente no exterior.

Quanto ao pagamento com retenções, ele só esteve em vigor até o ano fiscal de 2017, enquanto as informações sobre os empréstimos do exterior foram mantidas até 2018, após o que o cronograma acima mencionado não estará mais em vigor.

Anexo 5: Regimes fiscais preferenciais

O preenchimento deste anexo esteve em vigor até o ano fiscal de 2018, no qual a renda gerada em regimes fiscais preferenciais foi declarada.

Este anexo esteve em vigor até 2019.

Anexo 6: Empresas integradoras

De acordo com o artigo 83 da Lei, foi estabelecida a obrigação das empresas integrantes de apresentar a declaração (DIM), no que diz respeito às informações de suas contas integradas.

A apresentação deste anexo esteve em vigor apenas até o exercício de 2016.

Anexo 7: Regime dos Pequenos Contribuintes

Este anexo não está em vigor desde 2017, ele declarou informações sobre o Regime dos Pequenos Contribuintes. No entanto, isto foi revogado e o Regime de Incorporação Fiscal entrou em vigor.

Anexo 8: Informações sobre o Imposto sobre Valor Agregado

Este anexo não está em vigor, já que atualmente as informações sobre o IVA são obtidas pelo SAT, através do Declaração de informações sobre transações de terceiros, a partir da emissão de faturas eletrônicas, entre outros meios.

Anexo 9: Informações sobre transações com partes relacionadas

De acordo com o regime de preços de transferência estabelecido na Lei do Imposto de Renda, os contribuintes que realizam transações com partes relacionadas devem apresentar uma declaração de informações.

Isto será feito através do Anexo 9 da DIM.

Anexo 10: Operações realizadas através de Fideicomissos

Este anexo deve incluir informações sobre as transações realizadas através de fideicomissos.

Quais são os anexos em vigor para 2020?

De acordo com o acima exposto, os anexos atualmente em vigor são os Anexos 9 e 10 da DIM, no que diz respeito às transações realizadas com partes relacionadas e aquelas realizadas através de fideicomissos, respectivamente.

Como é feita a Declaração de Informações Múltiplas?

Para arquivar os anexos indicados, o contribuinte deve ir ao site do SAT e baixar a aplicação DIM, que pode ser encontrada na opção “Conteúdo Relacionado”.

Uma vez baixados, devem ser instalados conforme indicado, e então os dados solicitados no anexo correspondente devem ser preenchidos e um arquivo gerado.

Depois disso, vá para o site do SAT na opção “apresente sua declaração de múltiplas informações “, clique no botão “começar” e siga as instruções para enviar o arquivo.

O contribuinte deve levar em consideração que, caso as informações excedam 40.000 registros, elas devem ser apresentadas nos escritórios do SAT.

Quanto tempo leva para enviar a DIM?

O prazo para enviar a devolução é 15 de fevereiro do ano seguinte ao ano em que a devolução é devida.

Noticias Relacionadas

Contribuintes especiais no Equador
Impostos

Contribuintes especiais no Equador

Os contribuintes especiais e agentes de retenção de imposto de renda no Equador são regulados pela Lei Tributária Interna (Ley del Régimen Tributario Interno, doravante

LEER NOTICIA »

Como podemos ajudá-lo?

    Para entrar em contato conosco, você deve preencher o seguinte formulário